SC: Com menos leite para processamento industrial, o preço dispara no mercado

0
115
Leite dispara no mercado
CPT - Centro de Produções Técnicas

A acentuada escassez de leite no mercado brasileiro pressiona para cima os preços que as indústrias de lácteos pagam aos produtores rurais catarinenses.

Refletindo essa situação altista, o Conselho Paritário Produtor/Indústria de Leite do Estado de Santa Catarina (Conseleite) anunciou um reajuste de 16% nos valores de referência para este mês de julho, o que significa aumento de 19 a 24 centavos sobre os preços do mês anterior. O Conseleite reuniu-se hoje em Joaçaba e projetou assim os valores para este mês de JULHO: leite acima do padrão aumenta 24 centavos e vai para R$ 1,7848; leite padrão aumenta 21 centavos para R$ 1,5520 e leite abaixo do padrão aumenta 19 centavos para R$ 1,4109. A baixa oferta de leite nos laticínios ainda é resultado das condições climáticas que afetaram diretamente o mercado de lácteos.

O excesso de chuvas no sul do Brasil e a seca no centro-oeste reduziram a oferta de leite no mercado interno, forçando para cima os preços dessa matéria-prima. O vice-presidente do Conseleite e também vice-presidente regional da Federação da Agricultura e Pecuária do Estado de SC (FAESC) Adelar Maximiliano Zimmer observa que a diminuição na oferta, decorrente basicamente da menor produção de leite, deve manter-se nos próximos meses, confirmando o viés de alta.

A escassez de leite no mercado doméstico por conta da redução da produção tem elevado os preços internos da matéria-prima, o que torna a importação mais competitiva. Por isso, o déficit na balança comercial de lácteos do Brasil no primeiro semestre já é o dobro do déficit registrado em todo o ano passado. A escassez de matéria-prima no mercado doméstico vem estimulado as importações.

Nos primeiros seis meses do ano, o Brasil importou US$ 268,6 milhões em produtos lácteos e exportou US$ 62,7 milhões, o que gerou um déficit de US$ 205,9 milhões. Em todo o ano passado, o déficit havia sido de US$ 100 milhões, conforme dados da Secretaria de Comércio Exterior. Considerando os volumes comercializados em equivalente leite, o déficit na balança também cresceu. No primeiro semestre, o déficit foi de 683,7 milhões de litros ante 343,7 milhões no mesmo intervalo de 2015. Em todo o ano passado, o déficit havia sido de 548 milhões de litros.

PRODUÇÃO

Santa Catarina é o quinto produtor nacional, o Estado gera 2,8 bilhões de litros/ano. Praticamente todos os estabelecimentos agropecuários produzem leite, o que gera renda mensal às famílias rurais e contribui para o controle do êxodo rural. O oeste catarinense responde por 73,8% da produção. Os 80.000 produtores de leite (dos quais, 60.000 são produtores comerciais) geram 7,4 milhões de litros/dia.

Deixe uma resposta