Intolerância à Lactose e Alergia à Proteína do Leite de Vaca

0
719
Há tempos verifica-se a ocorrência de efeitos não desejáveis provenientes do consumo de alguns tipos de alimentos. Dentre eles, destacam-se como principais neste texto aqueles distúrbios ocorridos a partir da ingestão de leites e derivados, sendo eles a Alergia à Proteína do leite e a Intolerância à Lactose. Essas são desordens que muitas vezes se confundem, entretanto apresentam origens distintas e mecanismos bem diferentes.
A alergia à proteína do leite ocorre quando, logo após a ingestão de produtos lácteos, nosso organismo vê as proteínas presentes nesses alimentos como um “corpo estranho”, gerando intensa resposta a elas, com o objetivo de combatê-las e eliminá-las. Isso ocorre devido ao mecanismo de defesa do nosso corpo, conhecido como sistema imunológico. As principais proteínas contidas nos lácteos que levam à alergia são: caseína, α-lactoalbumina e a ß-lactoglobulina (VANDERHOOF, 2015). Os sintomas aparecem nos primeiros momentos após a ingestão, sendo mais comum a inflamação do esôfago e dificuldade de engolir, causando impacto direto no consumo de alimentos, dor abdominal, vômitos, e outros.
Já o termo intolerância à lactose está associado a uma incapacidade que o organismo encontra em digerir o açúcar do leite, a lactose. Nesse caso não há resposta imune como citado anteriormente, mas sim uma deficiência na atuação de uma enzima importante na quebra desse açúcar, para que posteriormente ele possa ser absorvido no nosso intestino, enzima essa chamada de lactase. Quando a lactose não é digerida no intestino ela fica depositada ali, gerando concentração e acúmulo de água que migra para este local. Com isso, pode-se ver os primeiros sintomas do distúrbio, sendo diarréia, cólica, gases e distensão abdominal os principais desencadeados.
Em ambos os casos, os indivíduos portadores dessas alterações tomam a decisão de excluir de sua dieta os produtos lácteos. Porém, essa escolha deve ser feita com cautela a fim de não prejudicar a qualidade nutricional da sua alimentação, uma vez que deve haver reposição de nutrientes que se equivalem a estes perdidos na alimentação isenta de lácteos. O leite é rico em proteínas, de alto valor nutricional, gorduras, vitaminas (especialmente as do complexo B, com destaque para a B2 e B12) e minerais (como o cálcio e fósforo e, no leite integral, vitaminas A e D) (MATTANNA, 2011 apud OLIVEIRA, 2013).
Outro fator que deve ter enfoque é a necessidade da leitura dos rótulos dos produtos industrializados, pois podemos encontrar alguns componentes que contém a proteína do leite, como caseína, caseinatos, hidrolisados (de caseína, de proteínas do leite e do soro), lactoalbumina, β-lactoglobulina, soro de leite e creme de leite (MORAIS, 2007 apud OLIVEIRA, 2013). É imprescindível também lembrar a importância de um diagnóstico completo com realização de exames para verificar possíveis perdas e carências nutricionais, com o objetivo de não só prevenir complicações, como também promover a saúde do paciente.
Referências
AMERICAN ACADEMY OF ALLERGY, ASTHMA AND IMMUNOLOGY – AAAAI. Tips to remember: food allergy. Disponível em: . Acesso em: 1 out. 2007.
Consenso Brasileiro sobre Alergia Alimentar: 2007. Rev. bras. alerg. imunopatol. V. 31, N. 2, 2008
FERREIRA, S. et al., Alergia às proteínas do leite de vaca com manifestações gastrointestinais. revista de pediatria do centro hospitalar nascer e crescer. V.  23, n. 2, 2014.
LOPES, C. RAVASQUEIRA, A.; SILVA, I.; CAIADO, J.; DUARTE, F.; DIDENKO, I.; SALGADO, M.; SILVA, S. P.; FERRÃO, A.; PITÉ, H.; PATRÍCIO, L.; BORREGO, L. M. Allergy School Hannover 2006: Allergy, from diagnosis to treatment. Revista Portuguesa de Imunoalergologia, Lisboa, v. 14, n. 4, p. 355-364, 2006.
MATANNA, P. Desenvolvimento de requeijão cremoso com baixo teor de lactose produzido por acidificação direta e coagulação enzimática. Dissertação (Mestrado em Ciência e Tecnologia dos Alimentos) – Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, RS, 2011. Disponível em:  http://jararaca.ufsm.br/websites/ppgcta/download/Dissertaco/PMattanna.pdf. Acesso em: 19 mar 2013.
MORAIS, M. B. et al. Alergia à proteína do leite de vaca. Revista Pediatria Moderna, v. 46, n. 5, p. 165-182, 2010. Disponível em: . Acesso em: 21 novembro 2012.
 OLIVEIRA, Vanísia. Alergia à proteína do leite de vaca e intolerância à lactose: abordagem nutricional e percepções dos profissionais da área de saúde. 2013, 105f. Dissertação Mestrado Profissional em Ciência e Tecnologia do Leite e Derivados, Universidade Federal de Juiz de Fora, Juiz de Fora.
PEREIRA, A.C.S.; MOURA, S. M.; CONSTANT, P.B.L. Alergia alimentar: sistema imunológico e principais alimentos envolvidos. Semina: Ciências Biológicas e da Saúde, Londrina, v. 29, n. 2, p. 189-200, jul./dez. 2008.
VANDERHOOF, J. A., Em tempo: uso indevido e excessivo de fórmulas de aminoácidos na alergia ao leite de vaca. Rev Paul Pediatr. N.33, V.4, pág. 379 a 380, 2015.

Deixe uma resposta