CPT - Centro de Produções Técnicas

Diretrizes que aconselham as pessoas a limitar a quantidade de alimentos lácteos – especialmente iogurte e queijo – que comem devem ser revisadas, de acordo com uma nova pesquisa. Descobriu-se que um maior consumo geral de produtos lácteos está associado a um menor risco de morte prematura por todas as causas e “causas cerebrovasculares”, como o derrame. Beber leite, por outro lado, foi associado a um maior risco de doença cardíaca coronária. Enquanto isso, eles recomendam que a diretriz para o consumo de leite seja beber leite desnatado ou com baixo teor de gordura, especialmente para quem bebe muito leite. Por um longo tempo, pensou-se que comer laticínios – porque eles contêm mais gordura saturada – aumentava o risco de morte prematura das pessoas, especialmente de câncer, doenças cerebrovasculares e doença coronariana. No entanto, os pesquisadores dizem que as evidências para apoiar essa ideia são conflitantes.

Os pesquisadores descobriram que o consumo geral de laticínios estava associado a um risco 2% menor de morte por todas as causas, enquanto o consumo de queijos, em particular, estava vinculado a um risco 8% menor. Concentrando-se em mortes por doenças cerebrovasculares, os pesquisadores descobriram que a ingestão total de alimentos lácteos estava ligada a um risco 4% menor, enquanto o consumo de leite estava ligado a um risco 7% menor. No novo estudo, a ingestão de leite foi associada a um risco 4% maior de morte por doença cardíaca coronária. O consumo de iogurte e outros produtos lácteos fermentados, por outro lado, foi associado a um risco 3% menor de morte por todas as causas. Outros ajustes, no entanto, mostraram que os resultados em iogurte não foram estatisticamente significativos e poderiam ter ocorrido por acaso.

Laticínio integral pode beneficiar a saúde cardíaca

A crença popular afirma – e até mesmo algumas autoridades governamentais em nutrição concordam – que devemos evitar produtos lácteos com alto teor de gordura devido ao alto teor de gorduras saturadas. Mas, um novo estudo corajosamente desafia essas afirmações. Laticínios integrais não aumentam o risco cardiovascular. Por outro lado, algumas gorduras presentes em certos produtos lácteos podem até mesmo manter o derrame e a doença cardíaca longes. Esta é a principal lição de um estudo recente conduzido pelo Dr. Dariush Mozaffarian, da Escola Friedman de Ciência e Política de Nutrição da Universidade Tufts em Boston, MA. Para estudar o efeito dos laticínios no risco de mortalidade e na saúde cardiovascular, o Dr. Mozaffarian e a equipe examinaram mais de 2.900 idosos dos EUA com 65 anos ou mais.

Os pesquisadores mediram os níveis plasmáticos de três ácidos graxos contidos nos produtos lácteos no início do estudo, em 1992, 6 anos depois e 13 anos depois. Associações com “mortalidade total, mortalidade por causa específica e risco de doença cardiovascular (CVD)” foram examinadas. Durante os 22 anos de acompanhamento, 2.428 dos participantes morreram. Destas mortes, 833 foram devidas a doenças cardíacas. No entanto, nenhum dos três ácidos graxos examinados correlacionou-se com o risco de mortalidade total. De fato, altos níveis circulantes de ácido graxo heptadecanóico foram associados a um menor risco de morte por doença cardíaca. Além disso, os adultos com níveis mais elevados de ácidos graxos em geral foram 42% menos propensos a morrer de acidente vascular cerebral, revelou a análise. De acordo com o autor correspondente do estudo, os resultados sugerem que as diretrizes alimentares atuais precisam ser alteradas.

Consistente com as descobertas anteriores, os resultados destacam a necessidade de rever as orientações dietéticas atuais sobre alimentos lácteos integrais, que são ricas fontes de nutrientes, como cálcio e potássio. Estes são essenciais para a saúde, não só durante a infância, mas ao longo da vida, particularmente em anos posteriores, quando a desnutrição e condições como a osteoporose são mais comuns. É importante ter estudos robustos, para que as pessoas possam fazer escolhas mais equilibradas e informadas, baseadas em fatos científicos e não em boatos.

Referências
https://www.medicalnewstoday.com/articles/322452.php?utm_source=newsletter&utm_medium=email&utm_country=BR&utm_hcp=no&utm_campaign=MNT%20Weekly%20%28non-HCP%20non-US%29%20-%20OLD%20STYLE%202018-07-18&utm_term=MNT%20Weekly%20News%20%28non-HCP%20non-US%29

Banach, M. ET al. Consumption of dairy product and its association with total and cause specific mortality – A population-based cohort study and meta-analysis. ESC, 2018.

Guo J, et al. Milk and dairy consumption and risk of cardiovascular diseases and all-cause mortality: dose-response meta-analysis of prospective 

 

Deixe uma resposta

Please enter your comment!
Please enter your name here