CPT - Centro de Produções Técnicas

O crescimento na oferta de leite e produtos lácteos em Mato Grosso, que se intensificou nos últimos dois meses, tem pressionado os preços de toda a cadeia. O valor pago ao pecuarista pela matéria-prima em dezembro, referente à captação de novembro, caiu 7,21%, para R$ 1,03 por litro. Na indústria, o queijo mozarela baixou 7,14%, a R$ 15,60 por quilo, enquanto o leite UHT recuou 22,08%, para R$ 2,40 por litro.

Os dados foram divulgados no levantamento mensal do Instituto Mato-Grossense de Economia Agropecuária (Imea) sobre a pecuária leiteira. Na contramão, o Índice de Captação Leiteira (Icap-L)/Imea registrou avanço de 11,94%.

Com base em dados do Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea), o Imea destaca que o recuo nos preços do leite foi ainda mais expressivo na média Brasil, com queda de 9,40% na variação mensal, para R$ 1,23 por litro. Desta forma, o diferencial entre o preço pago em Mato e o da média nacional se estreitou em 19,02%, para apenas R$ 0,20.

Sobre o portfólio de produtos no Estado, os analistas do instituto afirmam que, em 2018, o poder de compra das famílias limitou o consumo de produtos de maior valor agregado, assim como o alto nível de desemprego. Desta forma, a demanda ficou limitada a leite UHT, ricota, queijo prato e mozarela. “Enquanto a economia não melhorar de forma mais robusta, a indústria não terá o incentivo para diversificar seu portfólio de produtos”, alerta o Imea.

Clima
O Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet) indicou em seu prognóstico climático que o fenômeno El Niño pode ocorrer no verão da safra 2018/2019 no Brasil. Para o Centro-Oeste, ainda não se sabe qual será o efeito do fenômeno sobre o regime de chuvas no período. Portanto, o Imea ressalta que os pecuaristas terão que se precaver e programar as aplicações de adubo nas pastagens de modo mitigar os efeitos do El Niño.

“Vale ressaltar que o preço da ureia em novembro/18 registrou um dos maiores patamares de preços dos últimos anos, cabendo ao produtor escolher se compensa a aplicação ou se vale a pena correr o risco”, acrescentam os analistas do IMEA.

Em entrevista ao portal AGRONEWS BRASIL, Daniel Latorraca, Superintendente do IMEA avalia que mesmo diante deste quadro, o cenário é promissor para o setor leiteiro em Mato Grosso e afirma que temos condições muito favoráveis para nos tornar uma das maiores bacias leiteiras do País. “Nós temos área, já temos uma pecuária muito forte, a Bovinocultura de corte é maior do Brasil, mas na do leite a gente ainda ocupa a 10ª posição, então nós sabemos que temos uma oportunidade muito grande neste sentido”, destaca.

Os diferenciais, apontados durante a entrevista, que garantem esse potencial produtivo é de que Mato Grosso conta uma cadeia bem estabelecida, os insumos utilizados para a produção da ração animal são encontrados em abundância e com fácil acesso, temos grandes produtores e tecnologia disponível para este avanço.

Deixe uma resposta

Please enter your comment!
Please enter your name here